almofadas
Empreendedorismo

Meus Dias de Camelô

Ufaa!! Passaram-se alguns meses desde que comecei a contar nossa história! Mas vida de pequeno empreendedor é assim… Cobertor curto, tem hora que para cobrir a cabeça, temos que descobrir os pés…

Por isso, não quero incentivar ninguém a começar como eu comecei, assim, bem na louca, sem parar, planejar, cumprir aquele roteirinho básico… Você pode largar mais rápido assim na louca, mas depois sua caminhada será bem mais lenta, pois toda hora você vai ter que voltar lá atrás e fazer a lição de casa atrasada!!

Mas enfim, comigo foi assim e foi como dava para ser!

Você leu nossos primeiros posts sobre como nossa história começou?? Se ainda não leu, Clique Aqui , leia e depois volte para cá!

ESTRELANDO COMO CAMELÔ!

Mas então, continuando… Assim como o Silvio Santos, comecei como Camelô!! Rs rs… Fiz aquela proposta indecente para a Tia Vera e tinha 2 semanas para definir e produzir meus primeiros produtos! Tinha muita coisa na cabeça, mas eu não sabia nem costurar ainda! Não tinha fornecedores, não tinha empresa, não tinha nada! Apenas muitas vontade de botar a mão na massa e produzir coisas lindas, produzir sonhos, realizar sonhos, realizar o meu sonho, mudar a minha vida, ter uma vida melhor!!

TER UMA VIDA MELHOR? POR QUÊ? 

Lógico que não vou reclamar da minha profissão anterior, porque ela me trouxe até aqui, através dela conquistei muita coisa, principalmente amigos incríveis e aprendi muito, muito mesmo! Mas chegou uma hora que estava cansada de não ter tempo para fazer as coisas que mais gostava. Estava cansada da nossa rotina com a Juju durante a semana se restringir a chegarmos em casa todos cansados, fazermos um jantarzinho, “sofrermos” o processo de alimentá-la, corrermos para a função banho, massagem, fralda, roupinha, mamá, escova os dentes, historinha, põe para dormir, ahhhh e quase todo dia, dorme junto embalada porque já estava exausta mesmo… Quando muito conseguia ler a agenda da escola, responder, fazer a mochilinha do dia seguinte e paf, já era!

ROTININHA QUE TE PARECE FAMILIAR, NÉ? 

E quando eles começam a crescer a coisa piora, porque chegam mais cansados em casa, fazem manha, nós estamos cansados e sem paciência, não toleramos manha e começa o estresse… Simplesmente não estava legal.

Então quando tive aquela oportunidade, por mais maluca que parecesse, pensei comigo: é agora!

E TINHA QUE SER! SE NÃO FOSSE, NÃO SERIA NUNCA… rs rs (nossa, estou parecendo uma ex-presidente)

OS JULGAMENTOS…

Tive um amigo que me disse: “Nossa, Paulinha, você estudou tanto, fez mestrado, morou fora tantas vezes, fala inglês e espanhol, tem várias experiências, um bom trabalho, podia ter um futuro brilhante e você preferiu vender bandeirinhas na feirinha?”

A REALIDADE…

Pois é… Realmente, se a vida já era corrida e desgastante, ficou bem pior… Depois daquela função toda de noite (que sempre compartilhei com o Dri), todos os dias eu dava mamá, colocava no berço, anjinho da guarda meu bom amiguinho, me leve sempre para o bom caminho, amém, beijo, te amo, tchau… e saia correndo para a máquina de costura!

Sim, rapidinho emprestei uma máquina de costura da minha tia que me ensinou a costura reta, depois a mãe de uma amiga me ensinou mais uns truques e só!! Saí costurando!! Comecei com almofadas simples e bandeirinhas, muitas bandeirinhas, que eu simplesmente amava pois alegrava todos os ambientes, dava para misturar cores, estampas, era uma alegria… E inventei também os cordões de luz de flores! Aiii que lindos!

E lá fui eu para muitos domingos na feirinha… Durante a semana costurando até de madrugada, às vezes até na hora do almoço eu vinha para casa costurar, e sábado principalmente ia longe, dia e noite para ter o suficiente para o dia seguinte! Verdade, uma loucura. Domingo acordava às 6, tomava um café reforçado, às 7 começava a carregar o carro, até o boca!! Chegava na feirinha às 8, descarregava tudo, ia estacionar e rezava para ninguém roubar minhas coisas que ficavam lá sozinhas, voltava, arrumava toda a barraca, com as minhas coisas e as coisas de madeira da Tia Vera que os donos da Gepetto (loja de brinquedos bem na frente) gentilmente guardavam para ela… Era um tal de pendurar bandeirinha para cá, pendurar bandeirinha para lá… Modéstia à parte, a barraca ficava linda!! Tipo, a mais linda de todas… Hi hi…

O QUE VOCÊ ACHOU?

Como essa história continua, eu já conto… Mas me diga, o que achou desse começo? Tinha pinta de que ia dar certo? Ou parecia uma aventureira empolgada? Ou uma desesperada sem muitas alternativas? Tinha cara de empreendedorismo? Ou estava mais para amadorismo? Como você acha que foram as vendas? Bombei e me animei?? Ou fracassei e desanimei?

COMENTE ABAIXO e me deixe aquela palavra de incentivo!

Clique Aqui para eu te avisar quando essa história continuar!! (e se eu ficar chata, você se descadastra a qualquer momento, rs rs)

 

Posts Relacionados

Um comentário em “Meus Dias de Camelô

  1. Ronaldo disse:

    Paulinha, vc é super talentosa. Mantenha o rumo! 😉🌻

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Inscreva-se em nossa newsletter!